segunda-feira, 13 de março de 2017

12 de Março- Dia do bibliotecário

"Nossa homenagem aos BIBLIOTECÁRIOS, guardiões das letras e dos livros e agentes do conhecimento, do pensamento, da cultura e da informação."


quarta-feira, 8 de março de 2017

Dia Internacional da Mulher


Nossa homenagem  à  Mulher, que com sua força, delicadeza, sabedoria e poesia ajuda a transformar a vida em algo encantador. 




M ULHER
Ciro dos Santos
“ Mulher o teu nome principia na palma da minha mão, e cabe bem direitinho dentro do meu coração” –cancioneiro popular- não só hoje, mas todos os dias, todos os momentos, maiores e menores, porque mulher, os há de diferentes tamanhos. E dependendo do momento, é factíivel confundir-se mãe com esposa, com amiga ou até mesmo companheira e eu pergunto: haverá melhor companhia do que uma das mencionadas ? 
 Dizer que você mulher cabe na palma da minha mão, é pouco, porque o seu lugar é mesmo dentro do coração. 
Neste dia tão especial para a vivência universal- DIA DA MULHER- ontem como hoje e também depois, seu lugar MULHER, vou repetir É DENTRO DO MEU CORAÇÃO.Lugar inviolável e sagrado, que muitas vezes faz sorrir, mas nem sempre, tudo porque você é MULHER e conhece como ninguém da arte de enfeitiçar e conquistar


Mulher
Gilmar Silva
Mulher que procura,
Mulher que encontra.
Mulher que luta,
Mulher que vence.
Mulher que chora, 
Mulher que sorri.
Mulher que canta,
Mulher que encanta.
Mulher que vive,
Mulher que sobrevive.
Mulher que perde,
Mulher que se perde.
Mulher que é mãe, 
Mulher que é avó.
Mulher que é jovem. 
Mulher que é criança.
Mulher que é executiva.
Mulher que é compreensiva.
Mulher que é do lar.
Mulher que doa a vida. 
Mulher, simplesmente mulher. 
Assim como Deus, também amo todas.



Você não passa de uma mulher
Marina Alves

Mulher preguiçosa, mulher tão dengosa...  Assim começa a letra do samba de Martinho da Vila, nos idos de 70. E a partir deste malfadado comecinho, ele só continua enumerando o seu também malfadado pensamento a respeito do universo feminino. Se assim elas, as mulheres, não o são de fato, assim o compositor parece compreender que deveriam ser...
Olhar dispersivo, anquinhas maneiras, um prato feitinho pra garfo e colher. Está servida a comida, a mesa posta. A moça bonita que procura carinhos à própria maneira, sob o ponto de vista dele, de um modo qualquer, é só mais um banquete para os diferentes paladares.
Mas pra não dizerem não se lembrou das inteligentes, estas são lembradas sim. E aí é citada a mulher de QI elevado, psicanalisada, pós-graduada, com tendência ao trabalho mental. Mas que ilusão! Mesmo pretendendo se destacar pela intelectualidade e buscando o homem de seus desejos — na opinião do autor, um mito — apesar de todo o estudo ela não passa de uma mulher... Ah, mulher! Não há mesmo como escapar ao estigma: “Você não passa de uma mulher”.
Mas que não se discuta a serventia da mulher! Ela é quem faz o almoço e quem faz o café. Sem esquecer que menina-moça também é mulher. A preferência está dada: pra ficar comigo tem que ser mulher... que fique bem claro a quem interessar possa. É assim que a letra que começa mal, termina sem melhorar em nada. Sim, porque a esperança era que o final nos guardasse uma surpresa qualquer... Mas nada! Até o último verso, nada de proveito se aproveita.
Muitos anos se vão desde o lançamento deste samba que nunca me convenceu, mas que vi e ouvi sendo cantado, acatado e aplaudido por todas as gentes, inclusive por mulheres. Muitas até achando ‘uma delícia’ a brincadeira da letra. Mas onde é que está a delícia de se depreciar em tal ordem a figura feminina?
Alguns dirão, os tempos mudaram... Mas os fatos mostram que não foi tanto assim. Talvez venha se desenhando um discurso moderno que caminha a passos lentos, mas não as estatísticas. Convivemos ainda com números assustadores em termos de violência, desvalorização, desrespeito e banalização do universo feminino, eis a realidade.
Penso que ainda há muito a ser percorrido, a ser conquistado, até que o pensamento “Você não passa de uma mulher” possa ser superado, até mesmo pela própria mulher, vinda de uma história cultural que, a princípio, não a favorece. Mas demorar não significa perder a esperança: ainda creio que um dia enterraremos pensamentos como os retratados neste samba — não só pensamentos, mas principalmente, posturas, gestos e atitudes. Que homens e mulheres revejam seus conceitos para caminharem lado a lado, e possamos, enfim, comemorar algo de mais concreto, consistente e verdadeiro nos próximos dias 8 de março, e em todos os outros dias de nossas vidas.

A imagem pode conter: texto

Exibindo mulher homenagem.jpg

MULHER
Adircilene Batista e Silva
Mulher mãe, irmã, amiga, avó...
Gerando vida em outras vidas.

Mulher profissional
Mãos calejadas
Suor no rosto
Que trabalha com dignidade
Buscando o pão de cada dia.

Mulher corajosa
Chora, canta, ri
Enfrenta as desigualdades
Fazendo da dor rimas de amor
Independente da idade.

Alma sofrida
Quando é vítima da violência
Uma flor
Quando tratada com carinho, respeito e amor.

Mulher, mulheres
Evas, Marias, Carolinas, Alexandras
Lúcias, Carmelitas, Divas, Selmas, Maras,
 Gleices, Cássias, Elianas, Cidas, Marilenes
Exemplos de vida
Na Vitória de cada dia.



Apelo
Marta Vidal
Eu não quero ser homem
Quero espaço
Sem passar por cima dos outros
Não quero só sonhar
Tenho coragem, inteligência, força
Não posso ficar atrás
Não posso me sentir inútil, usada
Não quero ser expectadora da história
Quero lutar
Quero ser
Quero participar
Chega de marginalização
De preconceitos
Ser mulher não é defeito
Chegou a hora
De encarar
Mostrar
Enfrentar
Libertar.





MULHER
Cida Robadel

Datas comemorativas 
do índio, do negro, da mulher...
para mim são excludentes.
Porém no palco da vida personagens diferentes.
Mas, a mulher não representa, ela sente.
E assim pode ser:
braços que amparam e abraços que apunhalam;
sorriso que enternece e escarnece;
estrela a fulgurar e violeta a perfumar;
onça defendendo a cria e ternura de Maria;
fragilidade e fortaleza.
É nisso que está a beleza
de ser fêmea, de ser mulher.
É isso que faz com que todas sejam iguais.
É isso que a faz diferente, intrigante,
desgraçada, abençoada,
desejada, invejada.
E sobretudo AMADA.

domingo, 11 de dezembro de 2016

"A BÊNÇÃO PAI"

A ACADELP participou ontem, no Teatro Fausto Rezende,  do lançamento do livro de Regina Maciel: "A benção Pai".  "É o registro comovente das memórias de uma professora que ao longo dos anos teve seu caminho marcado pela luta contra o preconceito do próprio pai que a recriminava por sua conduta nos primeiros anos de sua juventude."  

E atendendo pedido da autora falei sobre a educação, cultura, literatura, a arte em Lagoa da Prata. Texto a seguir:

 Presenciamos em nossa cidade, a cada dia mais e mais eventos sócioculturais. E aos poucos vamos desmistificando o conceito de que Lagoa da Prata é a cidade dos "butecos". Aliás esse conceito existe, creio eu,  porque muitos não prestigiam os eventos realizados em nossa cidade. Daí conceituam erroneamente a cultura do município.  Tenho acompanhado, como presidente do Conselho Municipal de Cultura e turismo, e  como  membro  da ACADELP  os eventos culturais nos últimos anos em Lagoa. E fico feliz com o que tenho visto. Crianças, Jovens que despertaram para a arte e que nos comovem em suas apresentações de canto, teatro, dança, música, desenhos, pinturas... como a grande participação nos concursos de poesia da Acadelp, as apresentações dos festivais da AFA, AMAVI, FUTURA, Coral Vozes Especiais da Apae, das escolas de dança, das apresentações nas escolas,  na Estação, nas praças e tantos outros. É o empoderamento da juventude, ocupando os espaços da cidade, são os coletivos que levam a uma nova perspectiva de cultura de todos para todos. Como bem disse Paulo Freire  “a educação não transforma  o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo.”Acreditamos na transformação  que vem da família, mas, muitas vezes esta transformação  está  entregue a escola, a sociedade, ao poder público. Então cabe a cada um de nós cidadãos de bem  despertar nossos aprendizes,  para a necessidade da convivência, do respeito, da ética. Despertar para o equilíbrio emocional é responsabilidade de todos nós. Queremos crianças e jovens educados. Educados para com eles mesmos e para com os outros. Educados para com o meio ambiente, com  a cidade em que vivem. E assim que se constrói o respeito e a competência, sem perder de vista que inteligência sem coração, na metáfora da emoção, não leva lugar nenhum. Assim é a arte, a cultura.  A finalidade da educação, da arte, da cultura se confunde com a finalidade da vida. Esse é o lema que norteia o desejo de cultura em Lagoa da Prata. E você é nosso convidado para conhecer as associações, ongs, coletivos, lançamentos de livros, mostras culturais, eventos sócioculturais, assistir às apresentações dos aprendizes, dos profissionais e, principalmente, compartilhar do sonho de construir, arte por arte, as bases da fundação dessa nova geração. Uma geração composta por seres humanos que as vezes  erram - como todos nós erramos -, mas que sonham por dias melhores para todos e querem a oportunidade para fazer da arte, da cultura  uma ponte para a conquista da dignidade. Acredito, que as coisas mudam de lugar na memória da gente. Ganham uma certa névoa de esquecimento, que perturba a limpidez da lembrança. Mas, em nossa memória coletiva a vida é mais prazerosa quando deixamos livre a nossa imaginação criadora. E cabe a cada um de nós fazê-la acordar dos mais secretos recantos adormecidos da nossa alma. Obrigada. Adircilene Batista e Silva